Estilo Clássico ao decorar: dos móveis à iluminação

Estilo Clássico ao decorar: dos móveis à iluminação

Hoje em dia, entre as muitas tendências de coração, praticamente todas buscam um tom vanguardista e arrojado de alguma maneira, mas a verdade é que a opulência e a sofisticação nunca saíram ou vão sair da moda. O Estilo Clássico é uma das grandes jóias da decoração, trazendo muito conforto e história.

Entendendo os pontos: o que é um “clássico”?

É possível definir o que é um “clássico” através de duas frentes: historicamente, costuma se referir ao período Greco-Romano, em que muitas técnicas estéticas evoluíram, tanto plástica quanto conceitualmente; a literatura, a arquitetura, a escultura, tendo sido marcada posteriormente como o apogeu da cultura européia, especialmente em relação à Idade Média e a inspiração que causou no nascimento do Renascentismo. Veja também os tipos de lustres.

A segunda definição comum tem bastante a ver com a primeira, sendo um pouco mais abstrata e herdada da filosofia da arte, especialmente da literatura: clássico é mais do que aquilo que perdura através do tempo; é aquilo que consegue ganhar um propósito novo em todos os tempos.

Sala de estar com decoração Clássica com luz da janela entrando deixando tudo bem calmo e luminoso

 

É sobre os lugares onde convivemos e como nos sentimos ou queremos nos sentir quando estamos habitando ou passando por eles.

Por isso, falar de Estilo Clássico não é apenas um termo genérico e guarda-chuva para tudo o que é antigo, mas sim de uma síntese dos estilos artísticos que dominaram a Europa durante os séculos que seguiram ao fim da Idade Média, os estilos imperiais, inspirados pelo barroco, que se interessava pelas formas exageradamente ornamentadas e a desproporcionalidade, em alguns momentos, e o renascimento, que se inspira na arte clássica greco-romana, sua geometria, os materiais e os temas.

O Estilo Clássico soube se reinventar, e tornou acessíveis itens que em outros momentos só poderiam ter existido dentro de ambientes da realeza.

As principais características do estilo clássico de decoração

Há muitas decorações que, apenas de bater o olho podemos dizer que são do estilo clássico:

  • o uso de armações de metal com tons mais brônzeos e envelhecidos, como o latão, o cobre, o bronze;
  • o uso de mármore ou de sua imitação e madeiras escuras, muito bem cinzeladas com temas decorativos;
  • uma paleta terrosa, com tons de marrom e carmesim e também uma paleta de tons claros e neutros, com bege, creme e alguns pequenos arremates com cores douradas.
  • o uso de padrões ornamentais, especialmente de flores, listras e arabescos em papéis de parede e padrões decorativos nos bordados e estampas de almofadas e tecidos;
  • a expansão da noção de espaço, através de espelhos grandes, quadros, aparadores, tudo aquilo que causa um efeito de ganho no espaço, de centralidade, de proporção;
  • iluminação mais amarelada, simulando os tons de velas, inclusive e especialmente através do emprego de lustres;
  • opulência é a palavra de ordem: o luxo, o rebusque, mas tudo isso com sofisticação e conceito.

Dicas para fazer uma decoração clássica

Para fazer uma decoração clássica efetiva, o mais importante é emular a sensação de sofisticação no ambiente. Para isso você não precisa e nem deve comprar uma série de mobílias que sejam categorizadas como “antigas”, e sim saber aproveitar aquilo que tem um aspecto mais decorativo.

Cabeceira de uma cama de casal em um quarto decorado com estilo clássico

Um dos grandes ícones contemporâneos do estilo clássico é a art déco, que busca o tom decorativo e ornamental até mesmo nas pequenas coisas: nas maçanetas, nos puxadores de gavetas e prateleiras. É importante saber aproveitar esses motivos nas peças.

Em relação aos materiais, as madeiras com aspecto mais bruto e envelhecidos, especialmente o mogno, a nogueira e o jacarandá já remetem ao clássico, somando isso aos metais com tons mais brônzeos, armações e puxadores.

É importante que, mesmo com a busca por temas mais decorativos, a ornamentação não seja muito excessiva e, ao invés de transmitir classe, se torne apenas um pastiche do estilo clássico.

Junto das armações de tons brônzeos e terrosos, os tecidos são outro destaque, com tons de um branco mais envelhecido, com ocasionais tons vivos que remetam ao luxo, como o carmesim, o dourado e o púrpura como arremates.

Quarto de casal com decoração clássico e lustre antigo no teto

Ao invés de azulejos, carpetes no chão e papel nas paredes podem radicalizar mais a opção pelo clássico. Escolha ao menos um item com estofado, um bom divã ou poltrona, um aparador com cristaleira ou uma cômoda grande, com puxadores decorados.

Dispunha de forma dinâmica as mobílias, para que o espaço não pareça muito apertado, pois a ideia é justamente demonstrar opulência.

Para isso, aproveitar o efeito do espelho no cômodo é o mais adequado: instale um espelho central, com uma armação bastante decorativa, isso ajudará a aumentar a noção de espaço e, para arrematar tudo isso, para que esse espaço seja aconchegante, o tom da iluminação é essencial.

Talvez a peça mais icônica de toda a decoração clássica seja justamente o lustre. A iluminação abundante nos tempos mais remotos era um luxo de poucos, e os lustres eram a ilustração perfeita disso.

Os lustres no estilo clássico

A importância dos lustres no estilo clássico é tão grande que cada região acabou produzindo seus estilos característicos, que se mantém como referência até hoje:

Lustre clássico no teto e ao fundo duas escadas opostas

Lustre Italiano

A Itália foi um grande centro de mercadorias e sofisticação do Velho Mundo, e produziu muito vidro e cristais, criando alguns dos primeiros lustres, com metais dourados, cristais coloridos e diversos pingentes, ganhando arranjos aramados mais arredondados, como no modelo Provençal.

Lustre Bohemia

Inspirados nos italianos, os lustre bohêmios têm como principal característica o uso massivo de cristais em sua composição, com muito mais opulência no volume de castanhas de cristal.

Maria Tereza

Com a popularidade que os cristais bohêmios ganharam pela Europa, tornando seus lustres em itens de exportação, a coroação de Maria Tereza de Habsburgo deu nome a um arranjo ainda mais sofisticado, com candelabros mais volumosos e armações com formatos mais altos e elaborados.

Lustres franceses

Na França, no bojo dos temas rococó, seus lustres são geralmente produzidos em bronze e com traços mais solenes, isso até o seu ponto mais alto na decoração, com os lustres imperiais, que esbanjam extravagância, produzidos com um arranjo intrincado de cordões de cristais aparados por um arco de bobeches que sustentam um bolsão de cristais terminado num conjunto de pingentes. Foi um dos grandes símbolos da corte de Luís XIV e dos ambientes da realeza.

Ambiente estilizado no classismo francês em tons azul e durado e lustre antigo no teto

Os modelos Versailles são outros que se popularizaram muito na vida da realeza francesa, equipados com cristais de rocha garimpados nas regiões alpinas, que acabaram se tornando itens de desejo nos mais diversos modelos.

Os lustres contemporâneos replicam o melhor dos designs clássicos imortalizados, com funcionalidade e diversas dimensões, para instalação em ambientes de todos os tamanhos.

Na Henri Lustres você encontra lustres no estilo clássico para todos os gostos e espaços, além de uma linha completa de iluminação, e em nosso blog, as melhores dicas de decoração e luminotécnica, basta assinar nossa newsletter para receber as notificações em primeira mão.

Deixe um Comentário